19 de outubro de 2021

Bahia Política

Sem Meias Verdades

Justiça condena governo federal, MG e Funai por ‘campo de concentração’ indígena na ditadura militar – Folha de S.Paulo

Vacinação drive thru na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), zona norte do Rio. A cidade do Rio de Janeiro retoma hoje (25) sua campanha de aplicação da primeira dose da vacina contra a covid-19 em idosos da população em geral. Hoje serão vacinados os idosos com 82 anos.

Acesse seus artigos salvos em
Minha Folha, sua área personalizada
Acesse os artigos do assunto seguido na
Minha Folha, sua área personalizada

Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Gostaria de receber as principais notícias
do Brasil e do mundo?
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Decisão da Justiça Federal em Minas Gerais manda o governo federal, o governo do estado e a Funai (Fundação Nacional do Índio) a reconhecerem em cerimônia pública “graves violações de direitos aos povos indígenas” durante a ditadura militar (1964-1985).
A sentença determina ainda que seja feito pedido também público de desculpas à etnia Krenak, que vive na região leste de Minas Gerais.
O posicionamento, da juíza Anna Cristina Rocha Gonçalves, da 14ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte, foi emitido dentro de ação impetrada pelo MPF-MG (Ministério Público Federal em Minas Gerais) em 2015 pedindo a responsabilização do poder público pela construção e manutenção do chamado Reformatório Agrícola Indígena Krenak e pela criação da Guarda Rural Indígena.
A juíza deu prazo de seis meses para que a sentença seja cumprida. Cabe recurso.
O reformatório, que na região era conhecido também como Presídio Krenak e Campo de Concentração Krenak, foi construído em 1969 dentro da área indígena que pertencia à etnia, na região hoje do município de Resplendor, leste do estado, a 445 km de Belo Horizonte.
As investigações do Ministério Público Federal apontaram para acerto entre União e governo do estado para retirarem indígenas de suas terras para repassá-las a produtores rurais.
As apurações mostraram ainda prática de tortura e trabalhos forçados dentro do reformatório. A estrutura funcionou até 1972, quando os indígenas foram transferidos para uma fazenda, na qual também havia maus tratos.
Seleção das principais notícias da semana sobre o cenário jurídico e conteúdos exclusivos com entrevistas e infográficos.
Carregando…
O reformatório recebia também integrantes de tribos de outros estados. Conforme informações do MPF, ao menos 94 indígenas de 15 etnias de 11 estados foram mandados para o reformatório no território Krenak.
A administração do reformatório e o comando da Guarda Rural Indígena, que era utilizada, por exemplo, em perseguições, foram entregues a Manoel dos Santos Pinheiro, à época capitão da Polícia Militar de Minas Gerais. O militar ficou em silêncio durante depoimento ao MPF em 2015.

Na decisão, a juíza manda que seja reconhecido pela União, estado de Minas e Funai relação jurídica com o capitão, “como agente público responsável, em nome dos entes públicos ora discriminados, pela prática de atos de violações de direitos dos povos indígenas, como a criação e instalação da Guarda Rural Indígena, a administração do Reformatório Krenak (…)”.
Segundo o procurador do MPF-MG Edmundo Antonio Dias, responsável pelas investigações, os motivos alegados pelo poder público para enviar os indígenas ao reformatório não tinham embasamento jurídico.
“Falavam que era por embriaguez ou por terem saído sem autorização do território. Teve um indígena de outro estado que foi enviado para o reformatório sob suspeita de assassinato. Mas não havia prova nenhuma. Era apenas uma ficha, com a suspeita”, contou o procurador.
Seleção diária das principais notícias sobre o cenário jurídico em diferentes áreas
Carregando…
Dias comemorou a decisão, que ocorre durante a discussão do marco temporal sobre terras indígenas, que teve votação iniciada no STF (Supremo Tribunal Federal).
“Todo esse passado autoritário inclusive de negação de direitos indígenas se faz presente hoje no nosso país. A discussão do marco temporal, que nada mais faz do que tentar limitar direitos originários dos índios sobre as terras que tradicionalmente ocupam, é uma manifestação da nossa história de autoritarismo”, afirmou.
A decisão da Justiça Federal em Minas Gerais manda ainda que a Funai conclua em seis meses a delimitação da Terra Indígena Krenak de Sete Salões. A região, com grutas e pinturas rupestres, é considerada um local sagrado pela etnia.
A região a ser delimitada conforme a determinação judicial é chamada na língua Krenak de Takruk Ték Ték, que significa Pedra Pintada.
“Queremos preservar a história de nossos antepassados e também o meio ambiente”, disse Marcos Krenak, cacique da aldeia Nakrehé, uma das oito que a etnia tem na região. A área de Sete Salões se juntaria às terras em que a população Krenak, formada hoje por aproximadamente 500 pessoas, vive atualmente.

Outro líder, Douglas Krenak, disse que a decisão da Justiça anima a etnia. “Para que possamos continuar nessa luta. Não estamos fazendo nada contra ninguém, muito menos tirando nada de ninguém. A gente está única e exclusivamente lutando por um direito que é nosso, que além de estar na Constituição, é um direito que antecede tudo isso, porque nós estávamos aqui antes de qualquer questão. E continuamos aqui”, afirmou.
A Advocacia Geral da União (AGU), que na ação representa o governo federal e a Funai, afirmou não ter sido notificada da decisão da Justiça Federal em Minas Gerais sobre o reformatório construído nas terras Krenak durante a ditadura militar. A mesma resposta foi enviada pela Advocacia Geral do Estado (AGE). A reportagem não conseguiu localizar o capitão Manoel Pinheiro.
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Leia tudo sobre o tema e siga:
Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!
Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 120 colunistas. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As principais notícias da semana sobre o cenário jurídico e conteúdos exclusivos
Carregando…
As principais notícias da semana sobre o cenário jurídico e conteúdos exclusivos
Carregando…
Excelência em nuvem garante segurança, eficiência e economia
Biossimilares ampliam acesso para tratar doenças graves
Preferimos Temer a Bannon
Podcast aborda o perigo da meningite e como evitá-la
Câncer de mama: debate mostra diferenças entre sistemas público e privado
Conitec avalia novas opções de tratamento para câncer de mama
Upskilling e reskilling: conceitos que podem mudar uma carreira
Pós-graduação EaD do Mackenzie agora tem curso de Saúde Pública
Especial mostra iniciativas que desenvolvem e preservam a Amazônia
Avanço do varejo digital reforça importância da tecnologia
Grandes mestres fazem a diferença na especialização
Agora você personaliza sua pós-graduação
Geração Saúde Integral busca bem-estar em todas as idades
Veja como é fácil e seguro pagar ou receber pelo WhatsApp
Indústria brasileira avança na economia circular
Plataforma amplia vendas com múltiplas formas de pagamento
Lúpus pode levar à complicação renal grave
Como se desenvolver continuamente vai te destacar no mercado de trabalho?
Pós-Covid é prioridade em iniciativas da Bradesco Saúde
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Ex-governador tem 26%, e petista, 17%; em cenário sem o tucano, que deve sair do PSDB, ex-prefeito lidera com 23%
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Falha em subestação causou interrupção de energia no sábado, afirmam órgão e Furnas
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Para ex-chefe da autoridade monetária, autonomia não elimina risco de interferência

O jornal Folha de S.Paulo é publicado pela Empresa Folha da Manhã S.A.
Copyright Folha de S.Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.
Cadastro realizado com sucesso!
Por favor, tente mais tarde!

source

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
WhatsApp