19 de outubro de 2021

Bahia Política

Sem Meias Verdades

Petroleiros resistem à privatização de refinaria em São Francisco do Conde – A Tarde On Line

Anuncie
A TARDE +
Contatos
Sex , 17/09/2021 às 18:23 | Atualizado em: 17/09/2021 às 18:51
Da Redação
A primeira refinaria nacional que entrou em operação em 1950 completa nesta sexta-feira , 17, 71 anos de existência. A Refinaria Landulpho Alves (RLAM), localizada no município de São Francisco do Conde, foi um marco para o setor de petróleo no país, contribuindo para o desenvolvimento econômico e industrial do Nordeste e até mesmo do Brasil.
De acordo com Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro), nestas sete décadas, "foram milhões de empregos diretos e indiretos gerados e também impostos (royalties, ISS e ICMS), possibilitando o crescimento de muitos municípios, através da riqueza do petróleo."
"Riqueza esta que foi transformada em ações sociais, levando uma melhor qualidade de vida e bem estar, principalmente à população carente da Bahia. A RLAM como outras unidades do Sistema Petrobras, além de gerar lucro, desenvolveu durante anos um importante papel social.", diz a entidade. 
Segunda em capacidade instalada no país, a RLAM possibilitou, prossegue a Sindipreto, ainda o desenvolvimento do primeiro complexo petroquímico planejado do Brasil e maior complexo industrial do Hemisfério Sul, o Polo Petroquímico de Camaçari.
Ao longo desses 71 anos, a refinaria foi ampliada e recebeu bilhões de reais em investimentos, chegando a ser responsável pela produção de 30% da demanda do país e garantindo hoje o abastecimento da Bahia e outros estados do Nordeste.
Protesto 
Para marcar o aniversário da RLAM e também o da Petrobras, que no dia 3/10 faz 68 anos, os petroleiros programaram um  ato nacional, que vai acontecer na segunda-feira, 4, às 7h, em frente à RLAM, em São Francisco do Conde, na Bahia.
O ato, que contará com a participação de representantes da FUP, CUT, de vários Sindipetros, parlamentares e lideranças sociais e populares, é uma homenagem à grande e importante empresa que é a Petrobras, mas também é um protesto contra a política de privatização predatória do governo Bolsonaro/Guedes, que está fatiando a Petrobrás, vendendo e colocando à venda diversas unidades da estatal, como as suas refinarias, a exemplo da RLAM.
Petrobras
A história da refinaria baiana, que em 2018, foi responsável por 3,1% do Produto Interno Bruto (PIB) baiano e por 20% da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do estado, foi interrompida.
A Sindipetro afirma que a refinaria foi "tomada de assalto por um governo ultraliberal e de extrema direita".
"A RLAM, apesar da sua grande capacidade de processamento, está sendo vendida para um grupo de investidores árabes pela metade do seu valor de mercado.", diz a entidade. 
"Com a refinaria, estão sendo entregues os seus terminais operados pela Transpetro (Candeias, Itabuna, Jequié e Madre de Deus), além de 669 km de dutos que integram a rede da refinaria, incluindo oleodutos que ligam a RLAM ao Terminal Madre de Deus, ao Complexo Petroquímico de Camaçari e aos Terminais de Jequié e Itabuna.", continua; 
Para a entidade, antes disto, o governo Bolsonaro forçou uma queda no ritmo de produção da unidade, já preparando o terreno para a sua venda, apesar de a decisão ter impactado negativamente a economia baiana.
Para o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, que também é funcionário da RLAM, não é coincidência que a primeira refinaria da Petrobras, criada antes mesmo da estatal, tenha sido também a primeira a ser colocada à venda pelo governo Bolsonaro. “O objetivo é destruir, acabar com o estado brasileiro, principalmente em regiões onde este governo não tem apoio e nem votos, como o Nordeste”.
Bacelar aponta o resultado negativo do desmonte e da privatização da Petrobras que já pode ser sentido, citando o aumento nos preços dos derivados de petróleo, como a gasolina, gás de cozinha e diesel, resultado da política de preços adotada pela gestão da Petrobrás, que, na prática, produz em real, mas vende ao povo brasileiro em dólar. “Este pessoal não tem nenhum compromisso com a nação”.
Mas o coordenador ainda tem esperança que as privatizações de diversas unidades da Petrobrás, inclusive das refinarias, possam ser revertidas. “Este crime de lesa pátria não pode ficar impune, temos várias ações na justiça contra a venda da RLAM, por exemplo. Além da esperança de que em 2022, a partir das eleições, teremos novamente um governo democrático/popular conduzindo o nosso país”.
A importância da RLAM 
A criação da Rlam foi impulsionada pela descoberta do petróleo na Bahia, a partir do Campo de Candeias, e pelo sonho de uma nação independente em energia.
Ao entrar em operação, antes mesmo da criação da Petrobras, a refinaria mudou a Bahia, que deixava para trás o modelo agrário, baseado na monocultura do café e rural, estabelecendo um novo ciclo econômico no estado apoiado na atividade industrial. Os trabalhadores, provenientes da pesca e da agricultura, aprenderam um novo ofício se transformando em petroleiros e mudando as suas vidas, de suas famílias e das comunidades onde viviam.
Na Rlam, são refinados diariamente 31 tipos de produtos, das mais diversas formas. Além dos conhecidos GLP, gasolina, diesel e lubrificantes, a refinaria é a única produtora nacional de food grade, uma parafina de teor alimentício, utilizada para fabricação de chocolates, chicletes, entre outros, e de n-parafinas, derivado utilizado como matéria-prima na produção de detergentes biodegradáveis.
Luta e resistência
A Refinaria Landulpho Alves também foi palco de muita luta. Não é à toa que no caminho que dá acesso à RLAM existe um trevo, batizado de Trevo da Resistência, em homenagem aos petroleiros que já realizaram muitas greves e mobilizações em defesa da Petrobrás e de seus direitos.
“A estes trabalhadores e trabalhadoras rendemos nossas homenagens, pois são eles os responsáveis diretos pela grandeza, pelo lucro e pela história de conquistas que envolvem a Refinaria Landulpho Alves”, ressalta o Coordenador Geral do Sindipetro Bahia, Jairo Batista, lembrando ainda as inúmeras ações na justiça, audiências públicas, mobilizações, greves e visitas a senadores e deputados federais e estaduais, feitas pela FUP e o Sindipetro Bahia, para tentar barrar a venda da RLAM
Batista lembra ainda da campanha “Rlam 70 anos, História, Luta e Resistência” e da “Vigília Petroleira em Defesa da Petrobras e da Bahia”, que percorreu todas as unidades da estatal no estado e diversos municípios denunciando a privatização da Petrobras e as graves consequências para a Bahia.
 
21/06/2021
Alba debate impacto ambiental e obrigações do fundo árabe que comprou a RLAM
30/04/2021
Aterro Sanitário em São Francisco do Conde realiza o tratamento de resíduos de mais de 200 mil habitantes
19/09/2021
Jaques Wagner lamenta morte de ex-secretário de Educação da Bahia
19/09/2021
Após encontro com Rui Costa, Ricardo Maia fortalece pré-candidatura a Deputado Federal
19/09/2021
Voluntários tem até quinta para se inscreverem na Semana Nacional de Conciliação
19/09/2021
Olimpíada Feminina de Matemática premia estudantes da rede estadual
19/09/2021
Bahia recebe lote com 456 mil doses da vacina da Pfizer neste domingo
19/09/2021
Drones serão utilizados em auxílio à defesa agropecuária da Bahia
19/09/2021
Ex-secretário de Educação da Bahia morre em acidente de carro
19/09/2021
Maré baixa provoca suspensão da Travessia Salvador-Mar Grande neste domingo
19/09/2021
Feiras regionais e qualificação empreendedora fomentam artesanato baiano
18/09/2021
Dia Mundial do Doador de Medula Óssea muda cores do Congresso Nacional
Salvador e região metropolitana
(71) 3533 0850
Demais localidades
0800 071 8500
Seg a Sex:7h às 19h
Sábado das 7h às 13h
canais e editorias
grupo a atarde
WhatsAPP
(71) 99601-0020
Redação:
(71) 3340-8800
Central:
(71) 3340-8500
Classificados:
(71) 3533-0855
conheça o a tarde+
Anuncie Publicidade
(71) 3340-8585/8560
publicidade@grupoatarde.com.br
anuncie classificados
(71) 3533-0855
classificados@grupoatarde.com.br
Copyright © 1996 – document.write(new Date().getFullYear()); Grupo A TARDE. Todos os direitos reservados.

source

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
WhatsApp