28 de maio de 2022

Bahia Política

Sem Meias Verdades

Cineasta Breno Silveira morre aos 58 anos

Chuva forte deixa 24 municípios baianos em situação de emergência

Morreu neste sábado (14), aos 58 anos, o cineasta Breno Silveira. A morte, registrada no interior de Pernambuco, foi em decorrência de um infarto fulminante. Breno filmava no município de Vicência o longa Dona Vitória, que tem como atriz principal Fernanda Montenegro. A morte foi confirmada, via redes sociais, pela Conspiração Filmes, da qual o cineasta era sócio. 

O cineasta passou mal pela manhã, quando apresentou uma taquicardia e foi levado para o único hospital do município, onde morreu às 10h45. O corpo já foi liberado por um irmão do cineasta e seguirá para o Rio de Janeiro, onde será enterrado. Apesar de ter nascido em Brasília, nos últimos anos, Breno morava com a família na capital fluminense.

Em nota, a Conspiração Filmes cita o cineasta como um dos mais brilhantes diretores do cinema nacional. “Nos seus projetos, Breno Silveira sempre imprimiu sua busca incansável pela excelência e soube, como poucos, usar a força do seu olhar para retratar o Brasil”. Ele deixa a esposa, Paula Fiuza, e duas filhas, Olívia e Valentina.

Silveira foi diretor do filme Dois filhos de Francisco: a História de Zezé di Camago e Luciano, que se tornou a maior bilheteria da chamada retomada do cinema nacional à época de seu lançamento, além de ter sido representante brasileiro ao Oscar na categoria de melhor filme estrangeiro. Gonzaga: De Pai para Filho, outro clássico dirigido por Breno, alcançou mais de 1,5 milhão de espectadores nos cinemas e foi vencedor de três categorias do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, incluindo a de melhor filme.

Repercussão

Em nota, a prefeitura de Limoeiro, ondei aconteciam as gravações, informou que o diretor havia visitado o Centro de Criação Galpão das Artes ontem (13), no intuito de coordenar os ensaios para o filme. “Queremos deixar registrados o nosso reconhecimento e a nossa gratidão a este grande cineasta pelos serviços prestados à cultura e à arte do Brasil”, destacou. “Seu legado motivará os profissionais do setor cultural a seguirem firmes no objetivo de transformar a sociedade por meio da arte”, completou.

Trajetória

Breno começou no cinema como diretor de fotografia. Sua primeira participação marcante foi no longa-metragem Carlota Joaquina, lançado em 1995, de Carla Camurati. Também foi diretor de fotografia de Eu, Tu, Eles, de Andrucha Waddington, trabalho que lhe rendeu o título de melhor fotografia no Grande Prêmio Cinema Brasil 2000.

O cineasta se formou na Escola Louis Lumière de Paris e chegou a dirigiu várias campanhas publicitárias para a televisão.

Na direção de um longa-metragem, Breno estreou em 2005, no filme Dois filhos de Francisco, que conta a história de infância até o sucesso nacional da dupla Zezé di Camargo e Luciano. Em seguida, dirigiu o filma Gonzaga: De Pai pra Filho, que conta a história de vida de Luiz Gonzaga e do filho, Gonzaguinha.

Agência Brasil