Miliciano ligado a Escritório do Crime planejou ataque a deputada no Rio, diz revista

Conhecido como Macaquinho, Edmilson é foragido da justiça e já foi diretamente ligado como um dos executores do duplo homicídio da vereadora Marielle Franco.

Foto: Divulgação

A deputada federal Talíria Petrone (PSOL) estava sendo alvo de um atentado tramado pelo miliciano Edmilson Gomes Menezes, ligado ao Escritório do Crime, grupo de sicários fundado pelo ex-capitão da Polícia Militar Adriano Magalhães da Nóbrega. A reportagem é da revista Veja.

Publicidade

Conhecido como Macaquinho, Edmilson é foragido da justiça e já foi diretamente ligado como um dos executores do duplo homicídio da vereadora Marielle Franco, amiga pessoal e colega de partido de Talíria, e de seu motorista, Anderson Gomes.

A ordem do plano contra a deputada federal do PSOL, segundo fontes anônimas, teria partido do presídio Bangu 9, no qual estão presos três detentos que também foram investigados no inquérito que apura  o caso Marielle e Anderson.

A Delegacia de Repressão as Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco) da Polícia Civil do Rio de Janeiro abriu um inquérito no mês passado para investigar o planejamento do atentado contra Talíria, que deixou o estado de uma vez por todas – e esconde seu atual paradeiro.